segunda-feira, junho 28, 2010

Miniconto: Ele e a lua








Impaciente
esperei que nuvens
rosadas e densas
deslizassem
e a lua me fizesse
mais leve


Queria dividir com você a magia

Queria me voltar e dizer:
- Venha rápido, veja que linda a lua!
Sei que a sós não verás além das pedras. Pisarás firme. Passos seguros sobre pedras antigas.
Teus olhos não veem a flor que nasce entre o cimento.
"Não tenho tempo para isto". E sorriria se eu mostrasse o tronco com forma de pernas femininas, pensando: "É tolinha e romântica..."
E eu diria baixinho, de forma inaudível: Só tem olhos para livros e contas, e ainda:
e para meu corpo.
Quando perguntasse o que eu resmunguei, responderia:
"Pensava em suas mãos nas minhas pernas, só isso".
Você me puxaria com força contra você. Eu riria alto. "Eu te amo, seu maluco, muito".

2 comentários:

Isabela Campoi disse...

Lindo poema de amor...

_Diz disse...

Seja bem-vinda, Isabela, pena q foi feito p um amor distante-imaginário :) lógico q tem componentes reais ai- felizmente amei e fui amada intensamente.
Espero q vc tb.
Abs Laura