sexta-feira, janeiro 29, 2010

Lé com lé, cré com cré. Um sapato em cada pé


Daqui. Eu amo papoulas, mas esta não poderia jamais ser eu menina. Era triste. Lembrei de @_tralala_ , amiga do Twitter-é a cara dela esta imagem.


Ontem sai com uma sandália Arezzo, já bastante usada, mas ainda inteira.Uau! Surpresa! ao entrar no ‘Praia Shopping’ a tira da frente rompeu. Estava com meu filho e a namorada. Fui mancando até o Correio, onde funciona um mini Bradesco.

Comentei com um dos caixas (conheço todos)- ele pegou minha sandália e a grampeou. Imaginem a cena. O homem colocou a peça no balcão e tacou grampos. Fiquei surpresa pela gentileza e simplicidade de todos. Viram e sorriram, nenhum mal estar.

Ao sair, dez passos adiante- pumba! Arrebentou de novo. Resolvi ir cortar o cabelo. No carro uma sandália havaiana de um dos filhos, o surfista, número 43-44, foi com ela que entrei no Salão- é um lugar simples. Depois fui comprar pão com as pranchas no pé- calço 36. Achei divertido.

Na cabeleireira conversei muito com a manicure, com quem não faço unhas, mas é uma das pessoas que mais gosto daqui do RN, é do interior. Amorosa, sensível, inteligente, mas tão mal cuidada... dá pena. Vivem com tanta dificuldade. O salão é todo mal enjambrado, vou porque gosto delas, das duas, a que corta e esta- fiz depilação com ela ontem, mas é tão precário tudo- dá vontade de arrumar, fazer algo...
Eu morei ali perto por isso as conheço, faz anos. gente boa. A cabeleireira é surda. Gosta demais de mim. Me abraça forte, gosto delas por isso também, me sinto querida ali. Gostam da minha simplicidade, eu sei. Comentam sobre gente arrogante. Alguns pensam que sou, nunca fui- posso ser quando quero ser- ai sai de baixo. Boazinha eu não sou.


No domingo passado, eu estava na praia e o vento começou a me incomodar. Peguei minha canga indiana de seda e enrolei na cabeça- como as muçulmanas, sem cobrir a boca, claro. Estava de biquíni e óculos escuros. Continuei fazendo alongamentos com aquele traje.

Era cinco e tanto da tarde, havia pouca gente por lá. Alguns riam discretamente ao passarem, muitos turistas. Comentei com meu filho que estava no mar surfando. Disse: Também, mãe, você faz tipo muçulmana, mas de biquíni e fazendo ginástica na praia! Eles têm que rir.

Eu também achei divertido. Disse que quando quiser ficar no anonimato vou colocar o lenço e os óculos. Quando quiser fazer gênero viúva coloco um lenço preto, aqui tenho uns rendados- nunca usei, fica muito viúva negra, mesmo.


Meu filho Luc está em Sampa, é bom, não conhecia, é hora de conhecer cidades grandes. Foi para o show do Metallica. Está na casa de uma amiga minha. Saudades de minha amiga.

Acabo de ler aqui este post do Twitter da Bebel. Outro dia eu lembrei na mãe de Chico Buarque e pensei se estaria viva- vivíssima, pelo visto.

"Memelia, eu te amo, viva vc, viva oscar niemeyer,viva lula, e viva toda nossa familia!! 100 anos, um seculo e um centenario!!! Uuu uuuuuu"
(Bebel Gilberto, cantora, que veio ao Brasil para o aniversário de 100 anos da avó Maria Amélia Alvim Buarque de Holanda, no qual estava o presidente Lula - 25 de janeiro)
Perfil: @bebelgilberto

Viva! Família de Chico merece toda a nossa admiração-forever-toujours

Interessante, Dona Canô também já passou dos cem... Acho que filhos músicos e gente bem sucedida traz vida longa para as mães- querem ver o sucesso dos filhos, será?:)

5 comentários:

Luma Rosa disse...

O que faz viver muito é manter sempre a cabeça em atividade com pensamento e coisas boas. Vê, tanta gente desta geração fazendo 100 anos? Beijus,

angela disse...

Nada como ter bom humor pra tocar os contratempos do dia a dia.
beijos

samara disse...

Eu também gosto tanto de sua simplicidade, desse respeito pelas pessoas! Felicidades prá você!

nogflavia disse...

Lenços! Adoro! Essa semana, usei um na cabeça, por causa dos chuviscos... Não tem jeito, todo mundo olha. Curiosa, engraçado, ridículo! Sei lá! Eu sou adepta... Me divirto! To te imaginando! Muito bom!
Beijos e bom domingo! Divirta-se!

Sweet! disse...

Q post legal