segunda-feira, fevereiro 16, 2009

"Você vive hoje uma vida que gostaria de viver por toda a eternidade?"





Você já conhece este meu continho? Leia lá.


Há alguns aqui que dizem que eu me auto promovo, OK, não nego, o espaço é meu, faço o que quero hohoho
mas outro dia recebi um e-mail de uma amiga me dizendo que meu conto- "Embaçado"- era muito íntimo e não tinha profundidade, algo assim. Veio num momento ruim, eu preciso me concentrar para o livro e não consigo. Contardo me dá força, sempre, por isso ainda é uma figura importante para mim. Ontem li a dedicatória dele para mim, diz que meus mini contos são maravilhosos. A amiga me tirou forças.

Tá bom, a gente não agrada a todos, eu sei, mas foi uma porrada.

Explico, eu acho que tenho contos bons, outros menos bons, mas na média são publicáveis- afinal há muita coisa ruim por ai. Mas eu não sinto um impulso forte para publicar. Talvez eu desejasse mágica, ou unanimidade. Coisas impossíveis.
Penso que se eu morrer deixarei muitos contos guardados. Uma pena, não é? É, mas ao mesmo tempo não coloco a mão na massa, espero alguém para ler comigo, não encontro. A amiga que faria isto está envolvida em outros projetos. Um profissional? esqueço de buscar... e assim a vida passa.

O livro que leio sobre a morte- do Irvin Yalom- diz que algumas pessoas sentem aflição ao pensar que irão e nada ficará, a memória, as lembranças, todas, serão extinguidas. Eu sinto um pouco isto, pena por deixar coisas inacabadas, além das coisas preciosas do Pimenta.

OK. não vou morrer já, mas nunca se sabe... No livro há um caso clínico dele, uma mulher que é terapeuta, desenhava também, e sente que não fez tudo que poderia ter feito na vida. Eu sinto isto, poderia ser muito mais. O que impede? falta de vontade de ir atrás. Melancolia? pode ser. Tantas horas perdidas a olhar o céu e chorando. Agora reajo, não choro mais como antes, mas eu queria tão mais da vida. Por que é tão difícil viver? parece que estou sempre à prova. Saco. Talvez eu desejasse ser reconhecida por méritos que não ouso tentar buscar por medo de me frustrar.
O livro me fez refletir mais sobre isto, se vou sair do lugar é outros 500...

Estes dias tive muita saudade de alguém que me confortava, mesmo à distância, e nas horas difíceis tinha sempre uma palavra delicada para mim. Não existe mais. Me amou como nenhum outro amou, isto me dá uma sensação boa e ao mesmo tempo de dor. Hoje a imagem foi tão nítida que chorei, então tomei banho e sai.

Não há um ombro amigo aqui, a não ser a Dai, que está longe, e meus filhos- não alugo filhos por carência, acho o fim. Cada um que segure a sua falta de.

Tá bom, eu sou seletiva, exigente, chata, mas também sou muito legal.

O navegador navega nos mares do sudeste agora, está distante também.

Os do além mar estão além mar- longeeeeeeeeeeeeeeeeee

Os amigos do Rio, com lastro- como diz Raduan- estão lá e eu cá.

Raduan, que poderia me abraçar, está há kilometros.

Será que fui eu a neurótica que escolheu este caminho?

Fernando, meu ex médico homeopata e amigo, diria que sim, já me disse que prefere morrer de bala perdida no Rio do que viver longe dali. Eu amo o Rio. Mas hoje passei pela via Costeira e senti amor pelo mar, olho aquele mar e fico encantada, o visão do mar me fascina.

Minha mãe vai esta madrugada embora para Curitiba, mexe comigo. Está partindo velha, meio senil. A verei de novo? pode ser que sim, pode ser que não. Detesto ir para lá, nunca mais voltei, não tenho boas lembranças. A família é muito complicada...
Enfim, dá estranheza e sei que esta sensações que tenho tido também tem a ver com isto. Mas ao mesmo tempo estou tranquila por não sentir mais mágoas, tudo passou. tarde, mas passou.

Também envelheço e me assusta ficar senil. Fui à médica hoje, vou fazer exames anuais, sinto uma dor no peito de vez em quando, mas não deve ser nada. O que será? sei lá. Do lado esquerdo. Já fiz exames cardiológicos antes de viajar, não deu nada.
E penso que não tenho medo de morrer.

Chega de conversa fora.

Boa noite. Bom dia.

"
Você vive hoje uma vida que gostaria de viver por toda a eternidade?"
"O que não provoca minha morte faz com que eu fique mais forte".

Friedrich Nietzsche

4 comentários:

Daiany disse...

A frase de Nietzsche é forte, dolorosa. O que não nos mata, nos fortalece? É provável. Mas eu prefiro buscar algo que satisfaça e dê alegria para me fortalecer, acredito nela como antítese da dor...
Amiga, lembra daquele textinho do Saramago, em que ele fala que dizer aos indecisos que devem começar pelo início é uma crueldade? Pois, sim, para os indecisos, o início é um enigma. É. Algumas pessoas tem dificuldades com inícios, porque o medo é uma das substâncias mais comuns na nossa química orgânica. É difícil começar, dar o primeiro passo, organizar o que nos interessa e pensar no futuro. E, se deixarmos, o medo nos paralisa. Mas, também podemos tomar partido dele. Calçar uns sapatos de salto 20 e enxergá-lo um pouco mais de cima, por sobre o ombro. Não existe medo maior do que a nossa capacidade de levantar o olhar. Olha, estou longe, mas sei que vc tem tudo aí. Vc tem os contos, os desenhos, tem as coisas bonitas na gaveta. O começo é difícil mas depende mais de você que de qualquer um. Comece por esvaziar as gavetas, cole textos e desenhos nas paredes, ordene, escolha, olhe para eles de frente, encontre neles o que a motiva. Há tantas coisas bonitas e merecedoras de elogios - que vem de amigos, desconhecidos e ilustres. Se alguém não gosta, paciência. Há diferenças de gosto pelo mundo, aponte Jackson Pollock a um renascentista e ele vai fazer careta. Por que duvidar tanto de si? O medo não é algo tão avassalador quando colocamos nossa vontade diante dele. Vc tem tanto a mostrar e a contribuir, já consegue um pouco disto aqui no blog, diante de navegadores que chegam desavisados, vindos de uma maré googliana ou de um link qualquer... Por que o receio de se ver refletida em outro suporte? Comece pelo início. É difícil, eu mesma tenho dificuldades... Estou aqui na chateação de imprimir boleto, currículo, autenticar documento, um sacooooo... Mas quem pode fazer isto por mim, senão eu? Faça isto por vc. Comece. A torcida irá agradecer em coro. E para todas as opiniões e auxílios eventuais, conte comigo. Estou a um clique, sempre. beijos!

Maria Muadiê disse...

DAS COISAS MEMORÁVEIS
Antonio Brasileiro

Um dia o mundo inteiro vai ser memória.
Tudo será memória.
As pessoas que vemos transitar naquela rua,
as gentis ou as sábias, ou as más, todas,
todas.
E o mendigo que passa sem o cão,
o ginasta, a mãe, o bobo, o cético, a turista.
Deus, inclusive, regendo o fim das coisas
memoráveis, também será memória. Deus
e os pardais.
E os grandes esqueletos do Museu Britânico.
Todo sofrimento será memória. Eu, sentado aqui,
serei só estes versos que dizem haver um eu
sentado aqui.

Mani disse...

Olha, eu fico feliz de ler seu blog, de saber de voce. Eu lembro. E fico mais feliz ainda vendo a Dai e a Martha por aqui, duas mulheres maravilhosa, que adoro. Como voce! beijos....

D. disse...

Meninas, vcs são tão doces e generosas. Obrigada, outra hora escrevo para cada uma, estou com sono agora.
Bjs Elianne-Laura
ando com vontade de matar a laura. É verdade.