quinta-feira, agosto 05, 2010

Roland Barthes e o discurso amoroso

Se me um dia precisasse escolher um único livro para passar o resto da vida, seria este:
"Fragmentos de um discurso amoroso" de Roland Barthes.

Aqui frases de Barthes tiradas deste site.

“Como homem ciumento eu sofro quatro vezes: por ser ciumento, por me culpar por ser assim, por temer que meu ciúme prejudique o outro, por me deixar levar por uma banalidade; eu sofro por ser excluído, por ser agressivo, por ser louco e por ser comum.” Roland Barthes


“Toda a recusa duma linguagem é uma morte.”


“A linguagem é como uma pele: com ela eu entre em contato com os outros.”


“A ciência é grosseira, a vida é sutil, e é para corrigir essa distância que a literatura nos importa."


“Encontro pela vida milhões de corpos; desses milhões posso desejar centenas; mas dessas centenas, amo apenas um. O outro pelo qual estou apaixonado me designa a especialidade do meu desejo.”


“A literatura não permite caminhar, mas permite respirar.”


“O fascismo não é impedir-nos de dizer, é obrigar-nos a dizer.”


“Como ciumento, sofro quatro vezes: porque sou ciumento, porque me reprovo em sê-lo, porque temo que o meu ciúme magoe o outro e porque me deixo dominar por uma banalidade. Sofro por ser excluído, por ser agressivo, por ser louco e por ser comum.”
Roland Barthes

Um comentário:

Eduardo P.L disse...

Sempre muito melhor do que os leitores da Biblia e do Paulo Coelho....srsrs