quinta-feira, janeiro 07, 2010

"A impermanência da realidade"





"Era difícil tornar qualquer coisa permanente depois de compreender – de forma tão radical – a impermanência da realidade."

"Ao avesso de qualquer outra aventura, quanto mais longe, mais perto estava de mim. Neste mundo em que todas as geografias já foram devassadas – e a maioria delas devastada – talvez este seja um desafio mais real."


Ontem eu li esta reportagem de Eliane Brum e fiquei impressionada com a resistência dela- quem ler até o fim verá o que aconteceu.
Jamais sofreria dores tão fortes, teria deixado a meditação quando sentisse as dores.

Será que eu sou pouco resistente a dores? Ou é ela quem se excedeu? Sei lá...

Eu queria muito meditar. Falta um movimento em busca disto. Aquele grupo budista que eu freqüentei é muito agradável, mas não é o que eu procuro- eu quero um como este que se encontre no silêncio- eu sou muito silenciosa, não suporto ruídos em excesso.

Dia de Reis e não fiz a simpatia, vou ver se ainda faço- eles não vivem no ‘nosso’ tempo, não é? Irão me ouvir.

Dias difíceis, mas melhorando.

Ontem foi aniversário do meu primeiro namorado de verdade- durou mais de três anos. Liguei. Ele: Você não esquece...(rindo). Eu: Claro que não, foi um dos meus grandes amores.
Nos falamos algumas vezes por ano. Ontem descobri algumas coisinhas novas nele, mas fiquei quieta, não quis pegá-lo- sou danada para sacar as pessoas e nem sempre é hora de flagrar, não é? Minha mãe ouvia a conversa aqui e dizia que ele era o genro que ela queria ter. Não daria certo- eu implico com o jeito dele- detalhista- também sou. Fala com muitos detalhes, eu já estou noutra e ele ainda está narrando a história. Mas é muito querido, sempre será- somos amigos. Eu mantenho todos os exs como amigos- coisa rara. Não quero perder de vista, quero saber que ainda sou algo para eles- eu sei.

Meus filhos irão ao Rio e São Paulo. Minha irmã viaja agora para Curitiba para ver a tia doente.

Mudei de consultório- subloco outro- num prédio muito melhor, tem até identificação pela digital- super seguro, espero. A sala é muito confortável. A outra era, mas estava decadente.

Hora de ver o almoço ai ai

Um comentário:

Georgia disse...

Belo texto. Com pausas exatamente quando se pensa que você vai continuar a narrativa, mas de um jeito ou de outro acabou explicando...
Já é dito há muito que as mulheres amadurecem primeiro...as necessidades de outras experiências tb chegam primeiro, acho que por isso, quando os frutos ainda sao verdes demais, nao podemos recolhê-los. Talvez seja isso o que acontece com o seu ex. Mas, legal esse seu relacionamento de amizade com os exs.

Feliz Ano Novo!

Um grande abraco