segunda-feira, maio 04, 2009

Mini conto: Frio

Picasso



Frio


Ele vem por trás, ela percebe, não se vira. Ele toca seu ombro. As mãos frias, suadas. Ela sente nojo.
Finge se arrepiar. Afasta-o. Diz:
- Ai, que frio, suas mãos estão geladas.
- Você vive com frio, mulher doente, frígida.
Ela faz que não ouve.
- Gostava da minha terra, todo dia sol.
Ele volta para o escritório. Ela sabe que está inseguro.
Nela a certeza de que nunca mais terá a mão tépida e forte do outro.
Deixou-o num rompante. Pegou o caminho do sul, cansada da pobreza.
Nunca mais sorriu como antes.

7 comentários:

. fina flor . disse...

nossa, bota frio nisso!

beijos, flor e boa semana

MM.

teresa disse...

cada um escolhe o que lhe convém, não é? beijo.

Jan disse...

Barbaro

Me fez pensar a aquela musica do Chico - Cala a boca Barbara.

Lindo.

luzdeluma disse...

Duas almas em conflito.

Coitado! mãos frias e suada! Imagino a ansiedade!

Laura, o que quiser, me peça pelo e-mail. Eu explico.

Olha um convite para quem está em Natal: http://scriptusest.blogspot.com/2009/05/convite.html

Beijus

Laura Diz disse...

Obrigada queridas, fico feliz com os comentários.

Jan, seja bem-vinda, que bom que gostou.

bjs Laura

Maria Augusta disse...

Tudo tem seu preço...lindo teu miniconto como sempre.
Beijos.

Lia Noronha &Silvio Spersivo disse...

Passei pr a desejar uma boa noite.
Bjins mil!!!