domingo, março 21, 2010

E foi tudo pelo ralo...



Ontem no “Saia Justa”, GNT, comentaram sobre um jogador Bruno- não sabia quem era- que teria dito que já bateu em mulher. Achei aqui.

Pois é, a moças, do ‘Saia’ discutiram sobre, e no final começaram a brincar:
“Eu nunca bati na minha mulher”, Beth Lago;
“Eu nunca bati no meu homem”, Maitê Proença
...
“Tem homem que não gosta de bater”
...
Ai, Mônica Waldvogel- que é a jornalista que coordena o programa:
“Tem mulher que gosta de apanhar”.

Pronto, jogou tudo pelo ralo. Beth Lago sacou e falou algo.

Sugestão: Monica Waldvogel, agora faça um bloco de programa sobre o assunto, tratado seriamente. Leve a voz de psicanalistas. Todos sabemos que há homens que têm prazer em bater, que há mulheres que gozam ao apanharem, sim. Mas isto é uma patologia. Nada contra, se o par se encaixa- cada um vive como quer. Mas dizer, levianamente, que há mulheres que gostam de apanhar é quase o mesmo que repetir Nelson Rodrigues:
“Toda mulher gosta de apanhar, menos as neuróticas”.
Nelson jogava, ele podia, foi nosso dramaturgo maior- aquele que escreveu como ninguém sobre as nossas neuroses. Desvelou nossa intimidade.

Em tempo, gosto muito das quatro, tenho uns senões, claro, mas gosto. São gente fina- todas. Conheci a Márcia Tiburi, aqui em Natal, uma simpatia- eu fui convidada para ser mediadora numa apresentação dela- lançamento de livros. Trocamos figurinhas.
Ela disse: "Tão bom encontrar alguém que fala a mesma língua".
Fiquei feliz. Vocês sabem que aqui tenho dificuldades em fazer amigos. Mas isto dá outro post. :)

PS: o programa perdeu muito de um tempo para cá. Eu deixei de ver uns dois anos- fiquei sem SKY- e era muito melhor. Agora cada uma traz um tema, acho muito ruinzinho. Era mais natural, mais dinâmico, caótico, mas divertido- agora parece tudo muito produzido pela mão da direção.
Ah! saquei o que aconteceu com a Mônica Waldvogel: ela é muito séria, quando brinca se perde.
Eu nem vi o bloco que falaram do rei- chega de RC! é uma super exposição que cansa.

4 comentários:

Camille disse...

Nossa, que cretinice esse programa. Tem mais é que falar da lei Maria da Penha, que fo uma conquista espetacular nesse pais.Antes a mulher que apanhava nao abriao bico por que tinha medo de aindaser currada na delegacia. Agora existeum respeito muito maior quando se fa uma queixa, é levada com a seriedade que tem que ter. Se a mulher apanhava calada nao era po gosto,cmo a celebre frse de Nelson Rodrigues,que tb dizia que "homem gosta de sentir o cheiro de outro homem", quer dizer, na cabeça dele homem tem que ter mulher que trai para ser deejada por ele- mas enfim, eu dizia quenao era por gosto, mas por medo.
A materia prima d Nelson Rodrigues eram as perversoes de todos os niveis, me espanta que essas 4 moças tb caiam nessa.
Bjos e boa semana,
Cam

Diz disse...

Camille qrda, vc entendeu mal- elas estavam puxando a orelha do rapaz- jogador- falaram que não podia-se bater em mulher. Depois a Monica Waldvogel soltou aquela bobagem- foi sem querer, mas... jogou o discurso anterior pelo ralo.
Bjs e boa semana para vc tb.
Laura-Elianne

Vivien Morgato : disse...

Como uma piadinha tola pode ser um deserviço para ~todo um movimento contra a violência.
Lei Maria da Penha agora virou piada?

Monica Waldvogel é interessante, mas dá tantos furos que..
Enfim: escrevi uma vez, criticando a postura dela - no meu entender pouco ética - em relação ao entrevistado, no caso, Genoíno.
A resposta veio de uma produtora, grossa e patética, que incluia " para seu governo, o entrevistador gostou, voi?"
JUUUURO.

Rolei de rir.

Anônimo disse...

Olha depois do primeiro ano nunca mais vi esse programa...ficou muito chato!!!!