segunda-feira, agosto 17, 2009

Leda Nagle entrevista Drummond



Dá saudade vê-lo tão alegrinho e falante, numa agilidade mental incrível.
Nos conhecemos nas ruas de Ipanema. Conheci o pai dos meus filhos no dia do seu enterro, 18 de agosto de 87. Já contei que devo meus filhos ao Drummond. Meu ex é mineiro também, foi homenagear o conterrâneo.
Aqui você lê as historinhas sobre ele, se ainda não leu...

5 comentários:

Anônimo disse...

Laura,
eu conheço a historinha sim rs.
A propósito, fiz dois comentários nos posts anteriores, mas não saiu em nenhum, por que será?
bjs
madoka

Lia Noronha disse...

Laura: ele sempre estará vivo e presente...na lucidez de seus versos...eternos!!!
Bjus mil pr ati querida.

Lia Noronha disse...

Laura: te encontrei la do twiter...Saudades suas no meu Cotidiano.

Luma disse...

Bonitinho ele falar que falavam mal dele :) Laura, obrigada por este presente!!

Boa semana! Beijus

. fina flor . disse...

que sorte a sua, que sorte a sua, flor

beijos

MM.