quinta-feira, junho 18, 2009

Are baba!


Que semana chata! (Minha mãe não gosta que se use esta palavra, diz: Minha filha, você é uma psicanalista...).
Meu filho Dan está doentinho desde domingo, nada grave, mas está em casa direto, reclama de dor de cabeça, teve diarréia... hoje levei-o à emergência do Natal Hospital Center. Chegamos antes de duas horas, lá por 1:40 h e saímos às 6:30 hs. Inacreditável! E estava praticamente vazio, não entendi- parecia Operação tartaruga.
Eu sai para atender um cliente, voltei, e ele ainda esperava o resultado do exame de sangue. Reclamei. Nada. Esperavam o exame... Que falta de respeito com os pacientes! Dan estava com fome, não havia comido desde a manhã, estava cansado. Se tivesse passado o dia no soro ainda vá, mas ali, sentado num ambiente hospitalar, é demais.

Ontem encontrei uma pessoa amiga. Me disse: "ontem foi meu aniversário". Levantei e dei os parabéns, abraçando-a.
Sentou na mesa comigo na livraria para bater papo e um café. Ai disse: "Estes dias tomei 46 comprimidos de ...".
Ela tomou comprimidos de um remédio psiquiátrico, não entendi qual foi, se para psicose ou ansiolítico.
Eu: E você está viva!
E eu ri.
Ai ai
Ela: A gente só morre na hora certa, Elianne.
Contou que ficou vendo filmes com o ator Heath Ledger, que se identifica com ele.
Repeti a surpresa por estar bem. Perguntei como se sentiu quando acordou, disse despertou péssima depois de umas 24 hs de sono. Impressionante.
Ai meu deus! e ela fala sério, eu sei. Vive muito só, tem irmãos, mas só um ela realmente ama. Não trabalha mais, é aposentada. Uma pena, mulher super inteligente, culta. E eu não posso me aproximar muito porque ela é exigente, cobra muito, já estive afastada um ano porque se zangou por uma bobagem, nem me cumprimentava mais, depois um dia eu falei, ela voltou ao normal comigo. Saímos da livraria, fomos tomar um açaí e eu a trouxe para conhecer minha casa. Ela estava meio ansiosa. Perguntei se queria voltar para tomar remédio. Não, Elianne, agora só tomo remédio para dormir. Eu não tenho hábito de ficar na casa das pessoas, nem na minha eu gosto muito...
Levei-a. Quando saiu do carro meio apressada, eu disse, está doida pra chegar em casa, não é?
Ela: "Pra fumar unzinho".
Rimos.

Dali fui comprar pão na padaria onde ia antes, onde morava. A dona: Cadê os meninos? Lembro sempre deles.
Encontrei lá a cabeleireira, fez festa por me ver. Dei carona para ela, mora aqui pertinho, ficou super feliz, disse que dia cinco é o aniversário dela e quer que eu vá, pero será uma festa de São João- ai meu deus! é perseguição :)
Estes encontros me fizeram bem. É gente que gosta de mim.
Não quero nem pensar na tal festa...Hoje o engenheiro das obras me disse que eu estou certa- aqui não é área comum do condomínio, mas acabou a conversa assim: Sabe de uma coisa, D. Elianne.
Interrompi: Já sei relaxe e ...
Ele: É relaxe e dance forró.
ai ai.


Hoje um cliente me contou que uma colega se matou no Rio aos 40 anos- deu um tiro na boca. Que horror! Era mulher de um pastor... ai ai Triste isto. Uma mulher dar um tiro na boca é muito desespero. Pobre moça.

O livro está tendo boa aceitação, gente é um bom livro, podem comprar, eu recomendo.
E não estou ganhando nada, viu?

Esta novela tem vários bordões: Are Baba, Tike... e a cabecinha pra lá e pra cá?
Aqui há um post interessante, curioso.

6 comentários:

Anônimo disse...

Sim, tem gente que gosta de vc. ;-)

Tentando me lembrar da data do lançamento do livr aqui, ainda hoje me perguntei o porquê de não ter tomado um chopp ou café com vc quando fui a Natal, ano passado?!

Curioso vc comentar isso aqui, uma amiga de uma grande amiga de BSB se matou no Rio também. Triste.

Abraço forte,

D.

Anônimo disse...

Tá vendo, basta vc sair, e acaba encontrando pessoas que gostam de vc.
Achei engraçadinho o engenheiro: ´relaxe e dance forró´, olha aí, tô com ele. e é só uma noite não é, saindo, de repente encontre algumas pessoas pra se animar, rir junto e até dançar forró.
beijos
madoka

Márcia(clarinha) disse...

Melhoras pro filhote, essa virose tá pegando mesmo, repouso e muito líquido.

Gostoso sair e encontrar quem nos gosta e poder retribuir.
Pena pela depressão da sua amiga, hoje faz uma semana que uma querida amiga desde infância não aguentou a vida e num ato de corajosa covardia tomou dois frascos de chumbinho, triste, muito triste, saudade e dor muito grande.

Relaxe e dance forró minha nega, rsss

Gosto dessa novela e da cultura indiana, aprendo bastante e me delicio com os lindos do elenco, ô gente bonita, as mulheres estão um espetáculo.

lindo dia flor
beijos

Chica disse...

Temos dias e semanas que são difíceis mesmo...Nãodesanimar é um aprendizado,né? beijos,chica

Diz disse...

D de Danizinha? :)
azar é o seu não ter me procurado, iria se divertir comigo, sou boa de papo. Na próxima vez me escreva que dou meu tel.
Será que a moça que morreu é a mesma? esta era militar. Clarinha está contando de outra. Ai, tão triste isto, é de doer.

Madoka, querida, eu não sou diplomata, ferida fico na minha, em silêncio- eu acho que não vou pisar na tal festa, talvez saia de casa. Não consigo olhar estes caras. Eu ia às festas qdo obrigada, não gosto de mais de 20 pessoas juntas, me sinto péssima. Odeio caixa de som, sou um bicho estranho, gosto de silêncio, tenho ouvido super sensível, me incomoda demais música alta. Por ex. não aguento guitarra- meu filho toca baixinho aqui. Engraçado, Freud explica, é o instrumento que mais detesto, e ele adora hihihi gosto de piano, sax... tons que não firam o ouvido.

Márcia e Chica vou responder lá.

Catharina Castro disse...

Coisa triste é o suicídio, se a pessoa se encontra em depressão aí o ato é de desespero mesmo. Não é uma escolha livre, atitude que defendo. O direito de não mais querer viver por estar cansado da vida, seja por uma doença incurável, idade avançada quando a vida completou o ciclo e nada mais tem a oferecer.... em casos assim é compreensível o ato.

Desisti de acompanhar essa novela. Comecei a achar over em tudo.

bjs